sábado, 18 de maio de 2013

CAPÍTULO 77 MARATONA



A viagem foi curta. Pouco mais de quarenta minutos e Joe já parava o carro perto da varanda da casa de seus pais. A casa era adorável, grande, rodeada atrás de arbustos de flores coloridas que, na escuridão da noite, deixavam o lugar mais acolhedor. Joe desligou o carro e permaneceu imóvel. Eu também.
- Você está nervoso – acusei.
- Um pouco. A minha mãe... Ela pode ficar um pouco chateada, quando souber que nos casamos e não avisamos. Eu não queria ver ela triste.
- Ainda está em tempo de desistir – alcancei a minha aliança e comecei a retirá-la.
Joe me impediu.
- Não. Vamos entrar e fazer o que deve ser feito. Não quero que eles descubram sobre o nosso casamento por outra pessoa. É uma sorte meus pais não acompanharem a coluna social dos jornais, ou já teriam descoberto tudo, e da pior maneira possível.
Resignada, saí do carro, me sentindo um pouco zonza e trêmula. Joe me ofereceu a mão, apertando a minha fortemente. Ele não esperou alguém atender a porta, simplesmente entrou sem bater, me arrastando com ele. O aroma de assado impregnava a sala de estar espaçosa. Um barulho de metralhadora e gritos vinha de algum canto da casa. Notei que os móveis haviam sido distribuídos de maneira a criar largos corredores, e não havia tapetes no chão. Para facilitar a locomoção de Justin, supus.
- Tem alguém em casa? – Joe gritou.
Denise apareceu, com os cabelos presos em um rabo de cavalo, um avental na cintura e os olhos brilhantes ao me ver.
- Demetria! – Ela correu ao meu encontro e meu deu um daqueles abraços de mãe. – Estou tão feliz que o Joe finalmente trouxe você pra casa!
- Ah... Eu também. Fico feliz em te ver novamente.
Paul apareceu em seguida com uma toalha sobre os ombros, os cabelos molhados ainda pingando, a camisa aberta até o umbigo pontudo.
- Aí estão vocês! – e começou a abotoar a camisa. – Justin! Desliga essa porcaria. Seu irmão chegou. A Demetria está aqui. Como vai, querida? - Ele quis saber, me dando um beijo desajeitado no rosto.
- Muito bem, sr. Paul.
O barulho de tiros cessou e pouco depois Justin surgiu, com um sorriso zombeteiro no rosto.
- Até que enfim vocês chegaram. Pensei que você fosse dar o cano, Joe – ele disse, vindo em direção ao irmão e dando um soco em sua perna. – E eu só desliguei o videogame por causa de Demetria.
- Pelo menos alguém conseguiu te obrigar, uma vez na vida – Joe revirou os olhos.
- Fico muito honrada, Justin – eu disse rindo.
- Senta, Demetria – Denise indicou o sofá com a mão. – O jantar está quase pronto.
- Vou pegar uma cervejinha. Você prefere outra coisa, Demetria? Vinho talvez? – perguntou Paul.
- Cerveja está ótimo, obrigada.
Sentei-me, um pouco rígida demais, na ponta do sofá. Joe se colocou ao meu lado. Denise e Justin falavam ao mesmo tempo, contando sobre os progressos, ainda que mínimos, na fisioterapia, sobre as galinhas do vizinho, que haviam invadido a chácara e destruído a horta de Denise, sobre o aumento no imposto da chácara. Paul voltou com as bebidas, sentou na poltrona na nossa frente e sua mulher se empoleirou ao seu lado, no braço do estofado. Justin rolou sua cadeira até ficar ao lado do irmão. Eu não conseguia acompanhar a conversa. Todos falavam ao mesmo tempo e todos se entendiam, riam e brincavam uns com os outros. Aquele parecia ser o padrão daquela família. Sorri.
Eu já havia tomado mais de meia lata da minha cerveja quando Joe aproveitou uma breve pausa na conversa trivial e começou:
- Mãe, pai, Justin. A Demetria e eu temos algo importante pra contar pra vocês. Nós... hã...
Prendi a respiração. A família observou Joe, depois os três pares de olhos se voltaram para mim e de volta para o filho e irmão mais velho. Engoli em seco e encarei Joe, que parecia tentar encontrar as palavras certas para contar sobre o nosso casamento às escondidas.
No entanto, não houve tempo.
- Ai, minha Nossa Senhora! Você engravidou a menina! – disse Paul, ficando em pé, o rosto assumindo um tom avermelhado.
- Ah, Meu Deus! Vou ser avó? - Por um momento, pensei que o rosto de Denise se partiria em dois, pelo tamanho do sorriso que se espalhou ali.
- Puta que pariu! – Foi a exclamação de Justin.
Joe tentou dizer:
- Pai, eu não... – ao mesmo tempo em que eu comecei:
- Sr. Paul não é nada...
Mas o pai de Joe, furioso demais, não nos ouviu. Na verdade, ninguém mais nos ouvia. 
----------------------------------------------------------------------------------------
Ei desculpem mais Demi não tá grávida, mais foi legal ver a ansiedade de vocês ri muito com isso, eles são jovens e não é prioridade para o casal, e ainda não pensam em filhos e para o momento futuro isso seria trágico para ambos vão por mim. 

5 comentários:

  1. aaai meu Deus, amando cada vez mais sua fic

    ResponderExcluir
  2. Awwwwwwn lindo *---*

    ResponderExcluir
  3. Vc precisa postar mais um,vc não pode parar ai,vou morrer '---'

    ResponderExcluir
  4. Posta mais um please???

    ResponderExcluir