sábado, 6 de abril de 2013

AMOR SEM FIM CAPÍTULO 14

A crítica a atingiu em cheio. As lágrimas brotaram e arderam no canto dos olhos, visto que não estava acostumada com discussões tão violentas. E jamais lhe haviam dito que não tinha boas maneiras. No entanto, sentia que era errado aceitar um guarda-roupa tão absurdamente caro. Caso vestisse aquelas roupas compradas por ele, a sensação de inferioridade só aumentaria. No entanto, quem sabe, aceitando os presentes e vestindo-se de acordo com o mundo de Joseph, a enorme disparidade social e financeira não seria amenizada e ele se sentiria mais confortável?, uma voz em seu interior sugeriu. Afinal, o que era certo fazer... o que era errado?
Atordoada com tantos pensamentos conflitantes foi até o terraço tomar ar e se acalmar. O ar frio da noite a fez se encolher em um dos sofás. Alguns minutos depois uma das empregadas apareceu e lhe ofereceu um luxuoso cobertor de caxemira.
Do quarto, Joseph ficou observando Demi cobrindo-se com o felpudo e quente abrigo que ele havia mandado para ela. Enrijeceu os maxilares em evidente sinal de insatisfação. Ninguém discutia com ele muito menos uma mulher. O que a tornava tão beligerante? Tão crítica com relação a ele?
Com uma postura prontamente decisiva e perspicaz que o tornava tão temível no mundo dos negócios Joseph abriu a porta da varanda e saiu atrás de Demi. Sem hesitar, pois estava acostumado a superar qualquer obstáculo, inclinou-se, pegou-a no colo e voltou para o quarto.
Demi deu um gritinho, por causa do susto que levou.
Deixou-a na cama e a encarou desafiadoramente. Com o peito nu e uma calça jeans surrada, ficou ali parado alguns segundos sem tirar os olhos de Demi. Então, disse, apertando suas bochechas com delicadeza:
— Achei que fosse vibrar com o novo guarda-roupa.
Demi fez cara de criança abandonada e ficou hesitante:
— Me desculpe... não pensei pelo seu ponto de vista.
— Também não vi o seu lado. Você é diferente do resto das mulheres. Mas é por isso que a quero tanto.
Joseph roçou os lábios molhados sobre os dela, como uma carícia, e depois intensificou o beijo. O gosto sedento do beijo dele a deixou sem ar. Pensamentos perturbadores que a estavam importunando, aos poucos, amainaram.
Joseph deitou o corpo forte e poderoso sobre ela. demonstrando-lhe sua excitação. Um arrepio a assomou, deixando-a ardente. De repente, o desejava desenfreadamente, com uma ferocidade desvairada...
No dia seguinte, Demi se espreguiçou e buscou Joseph com uma das mãos. O lugar ao seu lado estava vazio, e ela abriu os olhos. A porta do banheiro não estava de todo fechada e pôde ouvi-lo no banho. Olhou o relógio com um sorriso satisfeito e vagaroso. Eram quatro da tarde.
Mais cedo, naquele mesmo dia, Joseph havia voado com ela a Marrakech para o café-da-manhã em um fabuloso e tradicional hotel. Depois, a levou para conhecer uma das mais populares feiras do Marrocos, também naquela cidade. Tinham retornado para o castelo nas montanhas na hora do almoço. No terraço, onde foi servida a refeição, eles se sentaram sob as árvores e desfrutaram do ar primaveril do deserto.
Bem antes de o último prato chegar, eles já haviam saído da mesa para fazer amor.
O telefone tocou na cabeceira da cama. Havia notado que Joseph nunca deixava de atender a qualquer ligação. Após um segundo de hesitação, ela alcançou o aparelho e o atendeu. Uma enxurrada de palavras estrangeiras a fez perceber que sua intenção de ser prestativa fora em vão.
— Perdão ... em que posso ajudá-la — perguntou Demi em inglês.
— Quem é você? Alguma secretária nova? — A mulher do outro lado da linha perguntou rispidamente. — Passe-me para o meu noivo.
Demi franziu a testa, confusa:
— Seu noivo? Quem gostaria de falar com ele?
— Ashley. Quem mais? — A mulher respondeu com escárnio. — Vamos, chame logo ele... Não tenho o dia todo!
Demi pôs o telefone na cama com a mão trêmula. Descobriu que não estava conseguindo respirar direito. Curvou-se como se tivesse levado um soco no estômago. Devia haver algum mal-entendido, pensou. Talvez a mulher estivesse brincando ou mentindo, por alguma razão. Afinal, Joseph não seria capaz de enganá-la de forma tão vil. Seria? Não podia ser tão ingênua. Podia? Percebeu, com o coração apertado, que nunca havia perguntado se ele tinha alguma mulher. No entanto, Joseph sabia que ela acreditava que ele fosse solteiro.
Levantou-se e vestiu o penhoar de seda turquesa que havia posto mais cedo. Enquanto amarrava o laço sobre a cintura com mãos trêmulas, pelo fone que havia deixado apoiado na cabeceira, ouvia a mulher que continuava falando com irritação e raiva.
Joseph apareceu com uma toalha enrolada na cintura. Ela apontou para o telefone:
— Ashley está na linha.

4 comentários:

  1. like strange in this word6 de abril de 2013 10:51

    Perfeito posta mais um hoje please
    Posta logo
    Ps.seguidora nova

    ResponderExcluir
  2. haha', quero só ver o que joe vai fazer!! Posta logo, beijos <3

    ResponderExcluir
  3. Posta mais por favor
    Ta mto fabuloso... Demi tinha qe cortar-lhe o pénis

    ResponderExcluir