quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

CAPÍTULO 44 MARATONA


Joseph
— Esse lugar é muito chique. — Demetria comenta observando o ambiente.
— Você merece. — Digo dando-lhe um sorriso nervoso. “Isso e o que mais você quiser”.
— Se eu soubesse que veríamos a um lugar como esse, teria me vestido melhor. — Ela diz com um sorriso tímido.
— Não sei do que você está falando. Você está linda, como sempre. — Digo e vejo suas bochechas corarem um pouco. Depois de tudo que já fizemos juntos, era de se esperar que ela não sentisse mais vergonha, e o fato de ela ainda corar quando eu a elogio me fascina.
Estou tão nervoso, sinto praticamente todas as partes do meu corpo suando. Demetria e eu estamos em um encontro - mas ela não sabe disso - e eu nunca estive em um antes, ela acha que foi só um convite para jantar, mas para mim é a chance de mostrar como eu me sinto através das minhas atitudes. Eu não faço a mínima ideia de como contar para ela como eu me sinto, então resolvi tentar mostrar. Acho que ela já deve ter percebido que dos últimos dias para cá, eu venho a tratando diferente. Eu realmente espero que ela tenha notado a diferença.
Se ela percebesse o que eu sinto sem tem que me fazer falar seria uma maravilha, porque só de pensar em me declarar para ela, sinto uma dor no estômago e minha garganta se fechando.
Quando levanto a mão para pegar a taça de vinho, percebo vergonhosamente que ela está tremendo um pouco, pego a taça rapidamente para que ela não veja o tremor e na minha pressa, ao trazer a taça em direção à boca, eu a bato no meu prato, provocando um alto barulho agudo e fazendo com que alguns casais nas mesas mais próximas virem o pescoço para me encarar.
Joseph, está tudo bem com você? — Ela pergunta me olhando analisadoramente.
— Sim, sim está tudo ótimo. Porque a pergunta?
— Sei lá, você parece um pouco...Nervoso. Está tudo bem mesmo?
— Não, bobagem, porque eu estaria nervoso? — Faço uma pergunta retórica e sorrio nervosamente. — Garçom. — Chamo-o ansioso para mudar de assunto.
“Merda! Se controle, Joseph.”
 
— Estamos prontos para fazer o pedido.
— Sim, senhor.
Fazemos nossos pedidos. Eu escolho a plancha de grelhados do mar com aspargos frescos, cogumelos e batatinhas na manteiga de limão com alho crocante, e uma salada caprese. Demetria pede ravióli de queijo gruyére com picadinho de mignon e cogumelos paris, e uma salada pomodori. Para sobremesa pedimos uma Tarte Tartin caramelizada de maçã com sorvete de baunilha para dois.
— Então, como está o trabalho? — Demetria pergunta depois que o garçom se afasta da nossa mesa.
— Está indo muito bem. — “Tirando o fato de eu ter cometido erros horrendos porque não parava de pensar em você”.
— E aquela proposta da qual você havia me falado, ocorreu tudo bem? — Ela pergunta parecendo genuinamente interessada e eu me surpreendo dela ainda se lembrar sobre isso.
— Ah sim, a proposta da Thompson Reuters. Foi melhor do que eu esperava.
— Sabia que você ia conseguir. — Ela me diz dando um sorriso orgulhoso. — Você assinou o contrato, então?
— Ainda não. Carlson Thompson, o dono da Thompson Reuters, é quem tem que assinar o contrato. Ele me pediu para adiar o fechamento da nossa parceria até que ele voltasse da Bélgica. Vou me encontrar com ele essa semana.
— Isso é ótimo, Joseph. Deve ser maravilhoso conseguir ser bem sucedido fazendo aquilo que se gosta.
— De fato, é sim. Tenho certeza que você será a melhor aluna graduada em História da Arte que a UTD jamais viu, então você vai ver por si mesma o quão gratificante é. Aposto que você vai trabalhar em vários museus ao redor do mundo e vai ser a profissional mais solicitada. — Ela começa a rir antes mesmo de eu terminar de falar.
— Está bem... — Ela diz revirando os olhos.
— Não, é verdade. Você sempre se dedica com afinco a tudo o que faz, além do mais, pela quantidade de noites que você me trocou pelos livros, é melhor que você seja boa mesmo. — Digo dando-lhe um sorriso malicioso e me sentindo relaxado pela primeira vez na noite.
— Ah é, se não você vai fazer o que? — Ela pergunta rindo.
— Se não vou ter que te castigar. Quem sabe, talvez amarra-la na cama e lhe dar alguns tapas. — Digo mudando o tom de voz, dizendo as palavras provocantes em um tom mais baixo e grave, de um modo sensual, e olhando-a maliciosamente.
Seus olhos adquirem um brilho faminto, seus lábios se separam e sua respiração fica difícil, como se o ar de repente tivesse se tornado mais denso.
Olhamos um nos olhos do outro, e nesse momento sinto que nos conectamos de alguma forma, fico em transe, hipnotizado por suas duas belas esmeraldas. Sinto meu desejo por ela aumentando, me deixando com um calor infernal e uma vontade enlouquecedora de lhe arrancar a roupa.
— Aqui está, senhor...Senhora. — A mágica do momento é quebrada quando o garçom traz nossos pratos, ele reabastece nossos copos com vinho e nos deixa a sós.
— Bom apetite.
— Obrigado. — Demetria e eu dizemos ao mesmo tempo.
Durante o jantar, eu fui me permitindo me sentir mais a vontade, mas a chama inicial do nervosismo ainda estava presente. É como se depois do que eu descobri, eu tivesse perdido completamente a capacidade de simplesmente ficar perto de Demetria, agora que eu sei que eu gosto dela, me sinto nervoso e desesperado para provar algo, eu só não sei o que exatamente.
Quando estamos comendo a sobremesa Demetria tenta disfarçar um bocejo, mas percebo pelos seus olhos cansados que está na hora de ir.
Pago a conta e seguimos lado a lado e em silêncio para o estacionamento.
Ela caminha tão perto de mim, seu corpo quase se encostando ao meu. Meu olhar se concentra na sua mão pendendo livremente ao lado do corpo, e então sutilmente eu entrelaço nossos dedos. Minha atitude inocente parece assusta-la, ela afasta a mão e me olha com um olhar indecifrável.
— O que você está fazendo?
— Nada. — Respondo constrangido com a rejeição.
Eu sou bom o suficiente para dar-lhe orgasmos, mas aparentemente não para segurar sua mão em público, percebo com tristeza.
Só queria toca-la. Toca-la sem que isso necessariamente leve-nos a fazer sexo, queria apenas poder sentir seu calor, beija-la na frente de todos e dizer a todos que estamos juntos.
Mas não estamos. Não do jeito que eu gostaria.
Ótimo, a parte do sofrimento de se estar apaixonado já começou, quando a parte boa vai vir? Será que eu finalmente comecei a sentir algo por alguém, apenas para não ser correspondido?
Isso seria uma bela de uma sacanagem do universo.
Quando estaciono em frente ao dormitório de Demetria, um desânimo enorme se infiltra em mim.
— Não tem mesmo como você passar a noite comigo hoje? — Pergunto numa última tentativa patética de salvar minha noite.
— Sinto muito.
— Tudo bem. — Não está tudo bem, não. — A gente se vê amanhã, então.
— Certo, até amanhã. — Ela abre a porta e faz menção de sair, mas para quando sente minha mão em seu ombro.
Deslizo minha mão para seu pescoço e a puxo para um beijo. Tento transmitir todos os meus sentimentos por ela nesse beijo; Paixão, carinho, necessidade...Espero que ela sinta.
— Boa noite, Little Nips. — Sussurro, nossos lábios ainda se encostando.
— Boa noite, Joseph. — Ela diz com a voz rouca. Percebo com felicidade que ela parece sim, afetada pelo nosso beijo.
Observo ela sair do carro e subir os degraus de pedra do prédio. Antes de passar pela porta se vira e me olha por um segundo. Não sorri ou acena, apenas me olha com uma tristeza que me pega desprevenido e me angustia.
Mas então ela entra no prédio e me deixa encarando a porta com a testa franzida.
“O que será que a está incomodando?”

12 comentários:

  1. Meu deussss pq ela ta se sentindo triste, depois dessa noite ela podia ter Sentido ao menos que ele sente algo por ela

    ResponderExcluir
  2. N termina assim, n faz isso comigo

    ResponderExcluir
  3. Carambaaaaa meu Deus posta mais eles têm que se entender e se resolver logo

    ResponderExcluir
  4. Pelo amor de deus ,posta mais pleaase ,se não vou morrer

    ResponderExcluir
  5. Eles tem que se declarar um para o outro..... que angustia.... posta mais

    ResponderExcluir
  6. Acho que a Suunny está de marcação com ela em relação a esse envolvimento deles e fica lembrando ela que o Joe nunca se apaixonará por ela e não será ele o homem certo para ela. Acho que isso que está fazendo a Demi ficar triste, pois a Suunny deve está lembrando ela a todo o momento como ela "acha" que o Joe é. E isso deve estar deixando ela completamente confusa.
    E eu morri quando ele pegou na mão dela e ela recuou, isso acabou comigo e com o Joe também, né!
    Posta mais!!!!

    ResponderExcluir
  7. Poxa cara, a Demi está triste porque pensa que o joe não gosta dela, certo? Ele tem que fazer alguma coisa, ou ela, n sei, mas cara, eles tem que se resolver! Posta mais.

    ResponderExcluir
  8. Vc só vai postar depois do carnaval mesmo? Por favor diz que não. Vou morrer de ansiedade até la. Continua. Pfvrr pfvrr pfvrr pfvrr pfvrr

    ResponderExcluir