segunda-feira, 1 de julho de 2013

CAPÍTULO 37 E DIVULGAÇÃO


Na manhã seguinte, quando Joseph acordou, permaneceu de olhos fechados e reviveu cada momento mágico da noite anterior. Todas as vezes que eles tinham se amado com ardor crescente. Seu corpo já estava enrijecendo em antecipação.
Estendeu a mão para tocá-la, esperando encontrar o corpo dela perto, e não sentiu nada. Abriu os olhos e sentou-se. A cama estava vazia. Fria. Demi havia ido embora há muito tempo. Uma onda de raiva o preencheu, enquanto ele se levantava e vestia uma calça. Saiu no corredor e entrou sem cerimônias no quarto dela. A cama estava desarrumada. Ele franziu o cenho. Ela voltou para dormir na própria cama? O pensamento o deixou quase incandescente... e onde Demetria estava agora? O sol mal tinha nascido do lado de fora.
Com uma raiva irracional, Joseph começou a procurá-la, na sala de jantar, cozinha, sala de estar, no terraço e perto da piscina, até finalmente encontrar-se do lado de fora da porta de seu escritório.
Sentindo um aperto no peito, abriu a porta e entrou. O aperto intensificou-se quando ele viu Demi, de costas para ele, sentada no chão de pernas cruzadas, em jeans e uma blusa larga, com Doppo, como sempre, ao seu lado, e toda a papelada na qual eles estavam trabalhando ao seu redor.
Demi soube no minuto exato em que ele entrou na sala. Até mesmo sentiu, para seu desgosto, quando ele se levantou. Joseph entrou descalço e parou na sua frente. Ela olhou para cima, e calor a inundou diante da figura máscula, com o magnífico peito nu e o botão do jeans aberto...
Quando ele adormeceu abraçando-a, ela ficou tão tentada a relaxar e dormir, também. Mas o terrível medo de que acordasse para encontrá-lo sentado no canto do quarto, fitando-a com aquela expressão gelada que ela viu ao acordar em Londres, não lhe permitiu ceder ao seu desejo. Tal medo a fez sair da cama dele na noite anterior, e também em Roma, na noite do casamento deles.
O que está acontecendo, Demetria? perguntou Joseph, o tom de voz impaciente.
Demi olhou para os papéis.
Estou trabalhando nisso.
Ele abaixou-se e estendeu uma mão. Sem escolha, Demi pegou em sua mão e ignorou a onda de prazer que o contato causou.
Segundos depois, recolheu a mão, respirou fundo e aguardou, tensa.
Demetria, eu não espero que você continue trabalhando nisso. Está tudo sob controle agora. Ele sorriu. Deixei-a ajudar naquela noite para testá-la... para ver o quanto você sabia sobre as tramoias de Taylor.
Aquilo não era novidade para Demi. Ela cruzou os braços.
Mas o fato é, Joseph, que eu ainda sou responsável pelas ações de meu irmão.
Ele acenou uma mão no ar, dispensando o comentário.
Não seja tola, Demetria. Seu irmão fez isso, não você.
Sim, mas me envergonho do que ele fez. Não permitirei que você lide com isso. Não enquanto eu estiver aqui. Ela ergueu o queixo. E há o débito que ainda tem de ser pago. Se eu puder começar com isso, talvez possamos fazer algum acordo quando eu arrumar um emprego, de modo que eu possa começar a pagá-lo propriamente. Se você puder me dar uma referência sobre o meu trabalho aqui, isso me ajudaria a achar um emprego.
Joseph passou uma mão pelos cabelos. Por que ela estava sendo tão teimosa? Ele teve um vislumbre de outra mulher na noite anterior. Da mulher que conheceu em Londres. A mulher que queria conhecer melhor. Doce, inocente, sexy, aberta... Mas, agora, era como se a noite anterior nunca tivesse acontecido. Ele vacilou entre querer sacudi-la e beijá-la.
Joseph não acreditava mais que Demi fosse responsável pelo débito de Taylor, mas alguma coisa incitou-o a dizer:
Levaria anos para quitar esse débito. Ele a viu empalidecer.
Eu sei replicou ela. Isso é tudo que existe entre nós, e entre mim e minha liberdade. Enquanto você estiver me mantendo aqui, eu quero trabalhar para desfazer a confusão que Taylor criou. É o mínimo que posso fazer.
Irritado pela implicação que ela não passava de sua prisioneira, Joseph fechou o espaço entre os dois, pisando nos papéis descuidadamente.
O débito não é a única coisa entre nós, Demetria. Demi inclinou a cabeça para trás e arregalou os olhos.
Eu não vou mais dormir com você, Joseph.
Oh, não? E, com incrível precisão, ele colocou-a de pé e puxou-a para si, ignorando as mãos de Demi contra seu peito, tentando empurrá-lo. Ele a beijou. Ela tentou mover á cabeça, mas perdeu a batalha.
No momento que se entregou ao beijo, Demi soube que o pior tinha acontecido. Agora ele saberia o quanto ela o desejava. E isso lhe daria mais poder sobre ela do que o débito, ou o fato de que Demi ainda era sua prisioneira. O fato de que sempre foi uma prisioneira... exceto que sua prisão não tinha paredes ou trincos.

 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------
DIVULGANDO:


Tá aí mais um e tá acabando gente ta pertinho do fim :´( , e os comentários do capítulo anterior estão respondidos aqui, Comentem!!!

8 comentários:

  1. não acredito que tá acabando. ):
    demi tinha que ter amanhecido com ele.

    ResponderExcluir
  2. aah já ta no fim :c
    O capitulo ta incrível *---------*
    Posta logo !



    Beijos, :))

    ResponderExcluir
  3. A slá, o cap ta ótimo. Acho que prefiro ver o Joe sofrer do que a Demi, Essa é a melhor parte. Lindo!

    ResponderExcluir
  4. Oi vim matar saudades disso aqui que amo.
    Estou tão feliz que vou entrar de férias, assim meu tempo precioso já estará bem destinado.
    uau! Mais uma vez dando-nos uma história maravilhosa para apreciar, tão maravilhosa como tu és com a gente. obrigada por isso.
    Não sei onde vc vai buscar tanto talento e criatividade, mas não para não que a gente ama cada Demi e cada Joe que você faz com que nos apixonemos, cada Marcus que rouba suspiros de nossas bocas.
    você é simplesmente Maravilhosa, e de personalidade também.
    Não sei do jeito que vc vê as suas leitoras, mas é bom demais quando vc pensa em nós quando a sua cabeça está a mil. Talvez vc gosta tanto da gente que quando sente-se mal quer ouvir o nosso apoio ou simplesmente bobagens que a gente diz.
    mas sabe a gente gosta de vc, ao menos eu gosto, a minha segunda parte preferida do blog é quando deixas alguma informação depois da história, é um jeito que faz com que conhecemos um pouco de você.
    Deus está contigo e com tua familia, pensamento positivo e resultados positivos, mas com tudo seja forte porque é isso que sua avó precisa, e acredita ela gosta de vc se calhar muito mais que ela gosta de seu pai, as avós são assim, amor de mãe duplo.
    Beijos até breve.

    ResponderExcluir
  5. Desde ontem tentando publicar. Meu Deus tudo bem que quase não venho aqui, mas não é necessário castigar-me desse jeito né Blogger eu adoro isso aqui..
    A Proposito estou AMANDOOOOO!!

    ResponderExcluir
  6. Pena que já está acabando gostei bastante, e ainda gosto vou me lembrar dela por um bom tempo, e vou voltar para ler novamente, suas historias são muito boas vc escreve super bem, adoro ler, ainda.mais histórias que prendem nossa atenção ds uma forma surpreendente, se fosse um livro poderia ter certeza que eu teria lido ele em apenas uma semana ou até antes, meu tempo é super corrido, como sei que o seu também é, mas se não pararmos um pouco para nos destrairmos acho que ficariamos totalmente loucas. E é muito bom quando nós temos tempo para parar e apreciar coisas boas da vida. E sinto muito pela sua avó. Não andei comentando porque ás vezes leio tão rápido só pra não ficar sem ler e ficar na espectativa sobre o que irá acontecer, mas sempre que possivel vou comentar e sempre estarei aqui mesmo que não comente sempre.
    Ine

    ResponderExcluir
  7. Pena que já está acabando gostei bastante, e ainda gosto vou me lembrar dela por um bom tempo, e vou voltar para ler novamente, suas historias são muito boas vc escreve super bem, adoro ler, ainda.mais histórias que prendem nossa atenção ds uma forma surpreendente, se fosse um livro poderia ter certeza que eu teria lido ele em apenas uma semana ou até antes, meu tempo é super corrido, como sei que o seu também é, mas se não pararmos um pouco para nos destrairmos acho que ficariamos totalmente loucas. E é muito bom quando nós temos tempo para parar e apreciar coisas boas da vida. E sinto muito pela sua avó. Não andei comentando porque ás vezes leio tão rápido só pra não ficar sem ler e ficar na espectativa sobre o que irá acontecer, mas sempre que possivel vou comentar e sempre estarei aqui mesmo que não comente sempre.
    Ine

    ResponderExcluir
  8. Adoro essa historia, posta logo, bjao

    ResponderExcluir