quarta-feira, 27 de novembro de 2013

CAPÍTULO 13

A limusine percorreu um longo caminho arborizado e parou no topo de uma bela colina. Era a melhor vista da propriedade que ficava no meio de uma área verde em um parque público.
Demi desceu do carro disposta a não se impressionar, mas logo descobriu que estava mortalmente impressionada. Nunca demonstrou muito interesse por casas, mas jamais vira uma casa como Oakmere Abbey antes.
O telefone do carro tocou e ela atendeu.
- Quais foram as primeiras impressões? - Joe perguntou calmamente. .
- Certamente é um belo cenário.
- A reunião atrasou. Por que não vai conhecer a lavoura primeiro? Iremos juntos até a casa.
O motorista a levou Para ver o bem cuidado jardim da fazenda onde o gerente a esperava para fazer uma visita guiada. Só se passara uma semana desde que Joe prometeu encontrar uma casa nova para o abrigo.
Joe finalmente encontrou Demi próximo à cocheira. Com os cabelos castanhos ao vento e uma das mãos enfiada no bolso de uma jaqueta, ela estava sentada sobre um fardo de feno em um galpão aberto, acariciando um cachorro. Animada e sorrindo, estava tremendamente atraente e cheia de vida. No momento em que avistou Joe, seu rosto redondo ficou tenso e o sorriso natural se fechou.
Ele cumprimentou o homem e estendeu a mão para Demi intimamente. O gesto era tão calculado quanto a determinação em fazê-la aceitar as mudanças no relacionamento.
-Vamos ver a casa. Eu disse ao agente que preferiríamos vê-la sozinhos.
Demi pensou se ela já tinha percebido como a simples presença de Joe fazia seu coração disparar. Toda vez que ela via aquele corpo robusto e o belo rosto bronzeado dele alguma coisa se mexia e ardia dentro de si. Ele estava lindo, como sempre foi. De alguma forma, ele também a alegrava, fazendo com que seus olhos ficassem fixos nele. Demi sabia que, se não aprendesse a conter suas reações diante da
beleza e dos olhares dele, ela se humilharia e sofreria desnecessariamente. Largou a mão dele e enfiou a sua dentro do bolso da jaqueta. Resistindo passivamente, lembrou a si mesma: sem contatos físicos desnecessários de qualquer espécie. Tinha que ter cuidado. Se ela lhe desse o mais leve encorajamento ou permitisse a menor intimidade, ele tiraria vantagens. A mente dele estava treinada para tirar proveito dos oponentes fracos e tolos. Veja o que ele estava fazendo com sua paz de espírito! Se ela não tomasse cuidado e o mantivesse longe, em breve ele estaria balançando um chicote na cara dela e estalando os dedos para ela pular.
- Seus pensamentos estão tão longe – Joe disse diretamente. A cordialidade e a franqueza dela tinham desaparecido. Qual era o problema com ela? Seria porque ele a pressionou a dar uma chance ao casamento deles? Ele estava se esforçando, por que ela não fazia o mesmo?
- Tem muita terra, o abrigo só usaria metade disso - Demi comentou. - Uma propriedade deste tamanho deve custar uma fortuna.
- Posso pagar. A localização não poderia ser melhor.
O silêncio que se seguiu era arrepiante. Eles caminharam de volta para a entrada principal. O salão era revestido com um papel de parede alegre o chão era de cerâmica. Joe franziu as sobrancelhas.
- Deve ser muito frio no inverno.
Demi estava admirando a bela lareira de pedra e tinha uma inscrição datada do século XV.
- Muito calor não é saudável - ela retrucou, e se afastou para explorar a enorme sala de estar que a distância parecia muito bonita. - Esta vista é de outro mundo. Isso não existe mais no século XXI.
- As condições oferecidas pela casa são melhores do que eu esperava.
- Suponho que precisaremos arrumar algumas coisas.
- Algumas? - Joe repetiu sem acreditar. - Eu acho que ninguém mexe em nada desde 1920!
-O que é maravilhoso, porque está completamente modesto - Demi lançou um sorriso sonhador na direção dele. - Esta também foi uma casa feliz, posso sentir a energia.
Acrescentando mais um zero à quantia que ele acreditava que iria gastar em Oakmere, Joe percebeu que ela estava sorrindo para ele outra vez, e observou-a discretamente.
- Gostaria de morar aqui?
- Oh, sim - Demi não tinha dúvidas, qualquer que fosse o resultado.
Ela sabia que Oakmere não era o estilo de Joe. Ele estava acostumado ao luxo e seus gostos eram muito modernos. Ele também nunca tinha evidenciado algum gosto por construções históricas ou pela vida no campo. Mas aquela realidade não incomodava Demi nem um pouco. Afinal de contas, aquela seria sua casa, já que tinha a intenção de reivindicá-la como sua parte no divórcio.
Joe reparou como os cílios dela realçavam os olhos castanhos. Ele ficou intensamente satisfeito por ela ter gostado da casa. Ele a observava alisar delicadamente a balaustrada na escadaria como se fosse um ser vivo necessitando de afeição. Era a mulher mais delicada e feminina que já conhecera.
O olhar de preocupação de Demi atraiu a atenção dele.
- No que você está pensando?
Com as bochechas coradas e quentes, ela respondeu:
- Nada importante.
- Aposto que você estava pensando em nós dois... morando aqui.
Apesar de ter se sentido um pouco culpada diante daquela suposição, o sorriso dele fez com que ela sentisse um calor no estômago. Simultaneamente, os pensamentos dela viraram poeira.

- Talvez.
____________________________________
COMENTEM!!!

21 comentários:

  1. Perfeito posta mais mais mais mais, super anciosa

    ResponderExcluir
  2. Leitora nova ja li tudo kkk a historia ta pefeita
    Nao demora
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Demoro heim ! Posta mais

    ResponderExcluir
  4. oiii muito perfeito ...poderia divulgar meu blog ?
    http://tati-joeedemi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. ansiosa pelo proximo
    posto logo

    ResponderExcluir
  6. Selinho.
    http://jemiheartandsoul.blogspot.com.br/2013/11/selinho.html

    ResponderExcluir
  7. Selo para você :D
    http://semilovers2.blogspot.com.br/2013/12/selo.html

    ResponderExcluir