sábado, 28 de dezembro de 2013

CAPÍTULO 02 E 03

— De quanto tempo precisa para fazer as malas e voltar?
Ela calculou o tempo... e o custo das viagens. Fica­ria sem nada.
— Uma hora de trem de ida e outra de volta, e uma hora para fazer as malas. Posso voltar a tempo do jantar de Graham.
— Não tem um carro?
— Não. — Não mais.
— Preciso que comece suas tarefas mais cedo. Vou levá-la de carro.
— Mas...
— Sem “mas”. Quer o emprego ou não quer?
— Quero. Mas, hum... tenho uma pergunta.
— O quê?
— A sra. Findley não disse por quanto tempo precisa­rá de mim, apenas “até que a mãe de Graham volte de um trabalho no exterior”. Não especificou se isto levará semanas ou meses.
— Ela não lhe deu a informação porque não a temos. Este contrato é de final aberto. Você receberá um mês de salário se trabalhar um dia ou trinta e receberá um mês adicional quando o contrato terminar. Se tem problema com isto, então pare de me fazer perder tempo.
— Não. Não, senhor. Eu... está ótimo. — Era melhor do que nada. E explicava por que o salário que oferecia era tão ridiculamente alto.
— Então assine. — Ele jogou diversas páginas e uma caneta para ela.
— Posso ler o contrato primeiro?
— Leia durante a viagem. — Levantou-se, deu a volta na escrivaninha e assomou sobre ela.
Demi deu um passo involuntário para trás. Ele tinha quase dois metros de altura, e seus ombros tinham o dobro da largura dos dela. Um homem poderoso... e não só financeiramente. Do mesmo tipo que a fizera ser demitida.
— Vamos, Sarah cuidará do seu garoto enquanto pe­gamos sua bagagem.
Alarmada, Demi olhou pela janela. Não gostava de deixar Cody com uma estranha perto de tanta água. A propriedade ficava à margem do rio, havia uma grande piscina no pátio e uma banheira de água quente. Era uma grande atração para um garotinho que adorava ba­ter as pernas na água. Mas que escolha tinha?
— Importa-se se antes me despedir de Cody e dizer uma palavra a sra. Findley?
Ele pareceu irritado.
— Seja rápida. Vou pegar o carro, me encontre na porta da frente. Passaremos pelo laboratório para fazer um exame de drogas a caminho de sua casa. Não preci­so lhe dizer que, se o teste for positivo e suas referên­cias forem falsas, será demitida sumariamente. Sem justificativas. Sem pagamentos.
— Sim, senhor. Não tem nada com o que se preocupar. E obrigada, sr. Jonas, por me dar esta oportunidade. — Estendeu a mão, e ele a ignorou. Constrangida, deixou a mão cair.

— Não me faça me arrepender.

CAPÍTULO 3

Demi abriu a porta do apartamento pequeno e modesto e entrou ao lado do homem grande e calado que a seguia. Exceto para lhe dar indicações para o laboratório no qual fizera o teste para drogas, e depois para sua casa, a via­gem transcorreu em silêncio e, para Demi, em desconfor­to. Sentia que ele a desaprovava. E o contrato fora con­fuso. Por que havia uma cláusula de confidencialidade?
Jonas observou, com aqueles olhos cor de avelã pontilhados de ouro e verde, a mobília pobre e escassa: um sofá de segunda mão e um abajur sobre uma mesinha lateral, uma cesta de plástico com os brinquedos de Cody e uma minúscula mesa de cozinha com duas cadeiras e uma cadeira alta de bebê.
— Acabou de se mudar?
— Moro aqui há quase quatro anos.
— Redecoração?
— Não.
Certamente ele não sabia como viviam os menos afortunados. Pelo menos, tudo estava muito limpo.
— Gosta do estilo minimalista?
— Meu ex-marido levou a maior parte da mobília quando partiu — admitiu com relutância. Assim como o carro, sua confiança e sua crença no amor.
— Quando foi isto?
Curioso ele, não? Mas tinha o direito de ser cautelo­so. Demi viveria na casa dele, teria acesso a seus bens. Não precisava de seu diploma em arte para reconhecer as pinturas e esculturas originais, cada uma delas mais valiosa do que um ano de salários dela.
Assim como tinha o direito de temer ficar isolada com um homem estranho, rico e influente. Aprendera da maneira mais difícil, que a riqueza com frequência levava à arrogância, e a arrogância à sensação de po­der. Um poder que fazia quem o possuía incapaz de aceitar um não. Demi deixou a porta para o corredor entreaberta.
— Lucas se mudou enquanto eu estava no hospital dando à luz nosso filho. Isto é importante para meu emprego?
— Sim.
Os olhos de Jonas se entrefecharam. Alguma coi­sa na voz lhe mostrou que Demi ainda não superara a rejeição. Uma coisa era se cansar dela, mas ignorar o filho... Odiava o tal Lucas por isto.
— Ele não lhe disse que ia partir?
— Não. Deixou-me na sala de emergência e disse que iria estacionar o carro. Não voltou, e eu temi... Não sabia que havia se mudado até chegar ao aparta­mento vazio com Cody.
— Pelo quê percebo, seu marido não gostou quando ficou grávida.
— São precisos dois para fazer um bebê, e Cody foi uma surpresa. Lucas e eu éramos recém-casados e pretendíamos esperar alguns anos antes de começar uma família, mas... as coisas acontecem.
— O que ele pensa sobre você morar no emprego?
— Não tem nada a dizer. Não faz mais parte de nossa vida.
— Ainda casados?
— Divorciados. Por favor, sente-se sr. Jonas. Vou fazer as malas.
— Ele paga pensão para o bebê?
— Não.
— Por que não?
— Não sei onde está e, se não nos quer, prefiro não ter ligação nenhuma.
— Há problemas de custódia?
— Ele abriu mão de todos os direitos de pai como parte do acordo de divórcio. — E ela ficara feliz, o que acabara de matar qualquer sentimento que tivera por ele. — Não se preocupe, Lucas não vai aparecer em sua casa e causar problemas. Com licença.
Demi saiu da sala antes que ele fizesse mais pergun­tas. Não queria discutir seu casamento fracassado ou sua falta de capacidade de julgamento de caráter. Se quisesse falar sobre aquilo, precisava apenas telefonar para a mãe e ouvi-la repetir “eu lhe disse”.
                                                                                                    ___________________________________
Tá aí 2 capítulos pra compensar o de ontem, se comentarem posso até postar outro mais tarde!!!    

25 comentários:

  1. To amando essa fic. Posta mais!!! 😊
    Thalita

    ResponderExcluir
  2. To amando a fic tbm!
    Posta mais :)

    ResponderExcluir
  3. Aaaaah perfeito posta mais hj

    ResponderExcluir
  4. Posta mais hj please?? Bjo

    ResponderExcluir
  5. Ss posta maais hoje por favor!!!!

    ResponderExcluir
  6. Posta mais
    ta perfeito dmss

    ResponderExcluir
  7. posta está de mais posta por favor nova seguidora*--*

    ResponderExcluir
  8. Essa fic ta perfeita sz

    ResponderExcluir
  9. Ja to amandoo essa fic ta perfeita
    posta mais hj por favor!! Hahas k

    ResponderExcluir
  10. Gataaaaaaaaaaaaa eu amo suas fics e to amando essa <3
    MDS Posta logooooo :33
    Se der divulga meu blog pls
    jemieternamentejemi97.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. AHH JOSEPH SEU RIDICULO TO COM RAIVA DE VC..
    Ameei <3
    Lucas outro ridiculo largou a Demi quando ela tava dando a luz? Isso e um absurdo.
    Ameei espero q o Joe mude de comportamento logo.
    Posta,Logo
    Xoxo

    ResponderExcluir
  12. POSTA PELO AMOR DE DEUS POSTAAAAAAAAAA AN DSNMSA DNASNM

    ResponderExcluir
  13. Estou curiosa pra saber o que vai acontecer rsrsrs
    Estou amando a fic!!!É perfeita!!
    Posta mais, por favor!!!
    Bju

    ResponderExcluir