domingo, 25 de agosto de 2013

CAPÍTULO 10

Joseph e Demi tinham evitado um ao outro no escritório a se­mana inteira, o que gerava uma situação desconfortável para ambos.
Era isso que acontecia quando se tinha um caso com o chefe, pensou Demi, enquanto estacionava em sua vaga na segun­da-feira de manhã, com um misto de apreensão e pavor. Resul­tava em confusão, era inevitável.
Demi tinha a sensação de que ultimamente nada dava certo. Ela havia passado a última semana tentando, e sem conseguir, se convencer de que ficava muito melhor sem Joseph, e como se isso não bastasse, comera alguma coisa que lhe fizera passar mal o fim de semana inteiro. Sentia-se fraca e cansada, sinceramente, ela preferiria passar a manhã no dentista do que ter que conviver com Joseph por mais outra semana.
E agora um terceiro problema estava surgindo. A negociação com a RJ estava emperrada, o dono da empresa, Ron Johnson, não havia assinado o contrato na sexta-feira, conforme o esperado.
Demi sabia que Ron Johnson era um homem imprevisível. Ele construíra seu império com a ajuda da mulher, Helen, e desde que ela falecera, havia cerca de um ano, ele fora morar no Caribe, e vivia lá quase como um eremita, deixando a cargo de uma equipe de advogados as negociações para a venda da empresa, mostrando-se cada vez mais intransigente em relação aos termos e cláusulas do contrato para concordar com a venda.
Desde o princípio, aquela negociação fora problemática. Os advogados de Ron queriam vender a empresa para Joseph, cuja oferta fora a mais vantajosa de todas, mas Ron havia demorado para se decidir. Ele recebera outra oferta, de um casal por quem ele tinha grande apreço, pessoas que frequentavam a mesma igreja que ele e em quem dizia confiar mais.
Demi se lembrava do dia em que Joseph recebera essa no­tícia, alguns meses antes. O caso amoroso deles estava a todo vapor, e eles tinham começado a planejar os detalhes da compra da RJ. Records. Quando o telefone tocou, e era do escritório de advocacia que prestava serviços para Ron, pela quinta vez em uma hora, Demi teve o pressentimento de que havia problemas a caminho. Já acontecera várias reuniões com os advogados e conversas de Joseph com Ron pelo telefone, e quando ele soube da novidade, quase explodiu.
— Esse sujeito está falando sério?
— O que foi? — perguntou Demi, franzindo a testa.
Ela se lembrava de ter sentado na beirada da mesa de Joseph e se inclinado para escutar. Joseph ativara o viva-voz.
— Receio que sim, Sr. Jonas. O Sr. Johnson tem convicções muito firmes e também é bastante, sentimental com relação à empresa. Ele acredita que uma parceria de marido e mulher é a solução ideal para administrar o negócio.
— Bem, então diga a ele que eu administro a minha empresa com a ajuda de minha noiva, uma pessoa absolutamente compe­tente e confiável! — retrucou Joseph, sarcástico. — Diga qualquer coisa, diga que tenho planos de transformar a RJ. Records em um negócio de família no futuro!
Ah, é mesmo? — O tom de voz do advogado ficou mais animado, aparentemente, ele não percebeu que Joseph estava sendo irôni­co. Ou então ele achou que era um bom argumento para convencer Ron. — Bem, isso pode fazer toda a diferença, Sr. Jonas, porque eu sei que um dos temores do Sr. Johnson é que o senhor resolva sub­dividir a empresa depois de comprá-la, ou até mesmo revendê-la.
Joseph ficou em silêncio por um momento. Vou transmitir seus planos ao Sr. Johnson e lhe retorno — continuou o advogado, animado. — Presumo que sua noiva seja aquela moça com quem temos conversado? A Srta. Lovato?
Joseph olhou para Demi com uma sobrancelha erguida.
— Sim, é ela mesma.
— Ei! Você não acha que deveria ter me consultado antes de me usar como sua noiva de mentirinha? — investiu Demi, assim que Joseph desligou.
Ele sorriu de leve.
— Não houve tempo... Tive de improvisar.
— Eu notei!
— Deixe de ser implicante. — Antes que Demi pudesse pre­ver a intenção de Joseph, ele a puxou para seu colo e a beijou na boca. — Não se preocupe, é apenas um acordo temporário, uma estratégia para agradar um milionário excêntrico.
Hum... Insanidade temporária, você quer dizer — murmurou ela, atordoada com o beijo.
— Bem, isso não há como discutir... Você acredita que Ron Johnson tenha conseguido construir um negócio tão bem-sucedido quanto a R.J. Records? Imagine só, descartar uma oferta como a nossa por causa de um capricho! Até os advogados dele já não aguentam mais. Esse aí praticamente me induziu a mentir!
— Bem, eu admiro o Sr. Johnson — afirmou Demi, com ho­nestidade. — São poucas as pessoas que colocam a ética e o ideal acima do dinheiro.
Joseph olhou para ela de soslaio.
— Estamos falando de negócios, Demi.
— Mas justamente para Ron Johnson não é apenas um negócio — rebateu Demi. — Ele realmente se importa com a empresa, leva o negócio a sério. Ele e a esposa se dedicaram, colocaram amor e energia para fazer a empresa prosperar. Ele quer vender para alguém que dê prosseguimento a isso, que tenha as mesmas convicções e códigos morais que ele. E acredita que, se vender para um casal, que ele sabe ser sério equilibrado e unido, o futuro da empresa está garantido. E ele receia que, se vender para você, será subdividida a empresa em segmentos e que a equipe dele de tantos anos perca o emprego. Precisamos admitir que ele não dei­xa de ter certa razão — acrescentou ela, com uma ponta de ironia.
Porque, ao contrário do tal casal, que são pessoas que prezam a família, o patrimônio, é um empresário por excelência, um execu­tivo, homem de negócios, um verdadeiro tubarão. Joseph olhou para ela, ligeiramente divertido. Posso lembrá-la de que é do seu próprio "noivo" que você está falando?
— Só estou analisando a situação de modo imparcial — retru­cou ela com um sorriso.
— Pois então não faça isso! — Ele acariciou uma mecha do cabelo de Demi. — Eu espero lealdade em todos os momentos... Até de uma noiva fictícia.
— Desculpe, mas não sei se consigo encarar isso — disse Demi.
— Nem mesmo com meu poder de persuasão? — Joseph a beijou com uma paixão que fez o coração dela acelerar.
— Bem... Pensando melhor... Não sou totalmente avessa a um pequeno suborno... — Ela passou os braços pelo pescoço dele e retribuiu o beijo.
E, agora, não faço a menor ideia de em que pé está nossa negociação com Johnson — disse Joseph, quando se afastaram para tomar fôlego. — Afinal, ele vai vender a R.J para nós, ou não vai? Demi sorriu e acariciou os cabelos dele.
— Eu acho que vai depender muito se ele lê os jornais lá na­quele esconderijo dele.
— O que têm os jornais a ver com isso?
— Porque os jornais se referem a você como "O Empresário Solteirão".
Joseph riu.
— Você está inventando isso...
— Não, é verdade! É de conhecimento público que você não só parte corações de mulheres como também parte empresas.
— Isso se chama venda de ativos, e é uma prática perfeitamente legítima. E quanto a partir corações femininos, acho que há certo exagero aí. Eu só não sou adepto da ideia de passar os fins de semana em casa, de robe e pantufas, assistin­do à televisão. Mas sou honesto quanto a isso, nunca enganei ninguém.
— Não é para mim que você precisa se defender, só estou re­petindo o que os jornais dizem.
— Que tipo de jornal você lê?
— Os melhores, é claro. — Demi sorriu.
— Foi o que eu imaginei. Então, fica a pergunta que não quer calar: o que uma garota legal como você está fazendo com um sujeito pilantra como eu?
— Acho que você é um sortudo, só isso — provocou ela. — Mas também tenho de admitir que gosto de viver perigosamente...
—Ah... Agora estamos falando a mesma língua. Parece que nós dois temos muita coisa em comum, Srta. Lovato. Uma delas é que ambos gostamos de correr riscos. — Joseph acariciou o rosto de Demi. — Ambos somos espíritos livres. Pensando bem, acho que você tem razão... Eu sou sortudo. Porque você é uma noiva de faz de conta maravilhosa.

 _______________________________________________
COMENTEM

22 comentários:

  1. sério msmo q a demi já se deixou envolver de novo?!

    ResponderExcluir
  2. isso foi antes de demi terminar c joe néh? fiquei meio confusa!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Eita ... a demi está mesmo apaixonada por ele , etipo ... ela tava passando mal =/ mas ela não podia engravidar né? ou então o marido dela era um froxo ¬¬' vai saber

    possssssta logooo

    bjss

    ResponderExcluir
  4. Isso e flashback ne, q no comeco ela falou q o cara recusou, ou e realidade

    ResponderExcluir
  5. Oii leitora nova aqui,huehuhe talvez não tão nova assim,eu li todas as suas história e poço dizer que são ótimas e olha eu já li muitas e muitas histórias! há muito romantismo,humor e aventura nelas,você é uma ótima escritora *u* continue escrevendo serio é muito bom ler sua histórias :3 posta logo bj bj Ana ;3

    ResponderExcluir
  6. Omg lindo..... A demi ta gravida???? Posta muito maiss please

    ResponderExcluir
  7. Muito perfeito posta mais!!!!

    ResponderExcluir
  8. posta maissssssssssssssss!!!!!

    ResponderExcluir
  9. já acabou????????????/posta mais 1 pleaseeeeeeeeeeeee!!!!

    ResponderExcluir
  10. quero maisssss!!!! posta mais hj

    ResponderExcluir
  11. sério sua fic tá demais , sempre fico ansiosa pelo proximo cap e nunca é o bastante kkkkkk se puder posta mais 1 hj bjs

    ResponderExcluir
  12. amando sua historia ....esperando a surpresa de mais um hj que tal?????

    ResponderExcluir
  13. sempre surpreendendo ,linda historia

    ResponderExcluir
  14. puxa vida vc vai msm parar nesse cap,quer me matar é??

    ResponderExcluir
  15. vc ainda vai postar mais hj?sabe como é néh ? historia boa a gente ñ quer parar de ler bjs

    ResponderExcluir
  16. posta mais hj p eu dormir felizzzzzzz

    ResponderExcluir
  17. isso aconteceu ou tá acontecendo?????? fiquei na duvida se é uma lembrança da demi ou não

    ResponderExcluir
  18. AHHHHH!!!!! POSTA +1 HJ

    ResponderExcluir