quinta-feira, 7 de maio de 2015

CAPÍTULO 66

Demetria
Eu juro que podia sentir os olhares de Joseph queimando minha pele durante toda a noite.
Eu venho evitando-o o casamento inteiro, e graças a Deus ele teve o bom senso de não se aproximar, mas não sou ingênua ao ponto de acreditar que estou livre de quaisquer consequências e que eu posso evita-lo para sempre, na verdade nem quero, imagine ficar fugindo do
homem que eu amo? É só até eu ter certeza que ele está mais calmo, talvez amanhã já possamos conversar. Pelo menos ele não está mais me olhando daquele modo aterrorizante de ontem à noite.
Faço o caminho de volta para minha mesa, sento-me e a visão de um grupo de pessoas chama minha atenção.
Selena, Nick, Joseph, Denise, Eddie, Olivia e Diana estão conversando. É tão bom ver essa cena, é maravilhoso que os pais de Nick tenham aceitado que Diana – a mãe biológica dele – faça parte das suas vidas agora. E Olivia, fico muito feliz pelos Jonas em vê-la recuperada. Sei que foi muito difícil para toda a família, se Nick – Deus me livre – tivesse morrido, ou então Olivia tivesse atirado e matado Selena, a dor seria imensurável. Mas graças a Deus ela se tratou e Nick e Selena foram capazes de perdoa-la.
É bom ver a família reunida, me dá uma sensação de paz e felicidade, mas também me faz pensar em como a noticia do meu namoro com Joseph vai afetar essa união. Será que os  Lovato e os Jonas vão continuar amigos, como será que nossos pais reagiram a noticia?
A festa continua até que finalmente chega a hora dos noivos se despedirem e irem para a Lua de Mel.
Quando chego na cada dos pais de Joseph, todos os convidados que ainda não foram embora estão parados em volta da pick-up de Nick, que está com os vidros pintados com a frase “Recém casados”. Nick aparece na porta da casa, e segura a mão de Selena que vem logo atrás.
Todos os convidados começam a gritar, assoviar e bater palmas. Selena está linda com um vestido curto e soltinho cor de vinho.
Os recém-casados descem os degraus da varanda de mãos dadas enquanto algumas pessoas jogam arroz nos noivos.
Nick puxa Selena para debaixo do seu braço e com a mão protege seu rosto dos pequenos grãos brancos que são atirados neles sem trégua.
Quando chegam ao carro as pessoas se aquietam e param de bombardeá-los. Os pais de Selena logo vão abraça-los e desejar boa viagem, depois é a vez dos pais de Nick. Diana o abraça e vejo-a enxugar o rosto. Sally, a irmãzinha de Nick, dá um pulo no colo dele quando Nick se abaixa para abraça-la, ele ri e a segura no colo enchendo-a de beijos no rosto.
Ele a coloca no chão e continua se despedindo dos parentes e amigos mais próximos. Logo chega a vez de Miley e ela começa a chorar e não larga mais a amiga, em seguida Liam se despede. Depois Taylor, Jake, Sunny, eu, Joseph, Nina, Ian...Todos desejando felicidades ao casal.
Mais algumas despedidas, acenos de mão para aqueles não tão próximos da família e que ficaram assistindo de longe e os dois entram na pick-up.
Acenamos para eles enquanto o carro lentamente se afasta e antes de desaparecer totalmente de vista Nick buzina.
Então eles se vão. Fico observando o local em que o carro desapareceu no horizonte com um sorriso bobo no rosto.
Poucas horas depois de os noivos terem partido todos os convidados que ainda estavam aproveitando a festa, vão embora. Sobrando apenas os  Lovato e os Jonas, além do pessoal contratado para fazer a limpeza de toda essa bagunça.
Papai e mamãe ficam conversando com os pais de Joseph, assim como Ian e Nina, que ainda estão em uma situação tensa entre eles, mas felizmente hoje aparentam estar melhores. Talvez esse clima de casamento tenha apaziguado um pouco as constantes brigas.
Não vejo Joseph em lugar algum e acho que assim é melhor, me despeço de todos e faço meu caminho de volta para nossa fazenda.
No caminho passo pelos vários homens e mulheres desarmando as tendas e retirando a mesa onde estávamos pouco tempo antes.
Sigo pelo caminho iluminado por tochas de volta para minha casa, ando despreocupadamente olhando para cima e observando as estrelas e a lua. Até que um outro farfalhar na grama indica que não estou tão sozinha quanto imaginava.
Olho para trás e vejo Joseph vindo perigosamente tentador em minha direção. Ah, o que ver esse homem de terno faz comigo!
— Finalmente a sós. — Ele diz e tento decifrar seu tom para descobrir o quão encrencada estou.
Joseph se aproxima lentamente, as mãos no bolso da calça, o paletó desabotoado, sem gravata e com o colarinho aberto, mostrando uma boa extensão de pele.
Ser tão sexy assim deveria ser proibido. Não sei se fico com medo ou excitada.
— Acho que temos que conversar sobre algo, mas não me lembro o que é...Ah sim, lembrei. É sobre o fato de você ter me enganado e ter ido naquele bar para ver homens ridículos tirarem a roupa. — Ele diz sarcasticamente, parando intimidadoramente na minha frente.
— Eu não te enganei. — Minha voz sai baixa.
— Ah não? — Ele levanta uma sobrancelha.
— Eu não sabia, nenhuma das meninas sabia, foi ideia da Selena. — Me defendo.
— Não duvido. Mas a pergunta é, depois que você chegou lá e viu o que ela tinha em mente, porque você não foi embora? Você queria ver outros homens pelados, é isso, Demetria? Achou que eu nunca iria descobrir? — Ele diz e dá um passo para frente, diminuindo mais ainda a distância entre nossos corpos.
— Não, não é isso. Eu...Eu não sei. Todas as meninas entraram e eu acabei indo junto, não sabia que desculpa eu poderia dar para sair dali.
— Se eles já soubessem sobre nós, nenhuma desculpa seria necessária. — Ele diz sério.
— Eu sei, eu sei.
— Temos que contar, Demetria. Amanhã.
— Amanhã? — Pergunto surpresa.
— Sim, não aguento mais isso. Ian e Nina parecem longe ainda de se entenderem, não vai dar para esperar mais. Vamos contar amanhã. — Ele diz firme, me fazendo acreditar que a decisão já foi tomada e não há nada o que eu possa fazer.
— Tudo bem, amanhã nós contamos para todos. Podemos organizar um almoço antes que o pessoal vá para o aeroporto e então damos a noticia.
— Perfeito. — Ele diz e ficamos em silêncio. Seus olhos azuis e analisadores percorrem meu corpo. Imediatamente sinto um fogo crescer dentro de mim.
— Você está muito, muito linda. — Ele diz numa voz baixa e rouca e que arrepia todo o meu corpo.
— Você está muito bravo sobre ontem? — Pergunto estranhando que ele não tenha agido tão explosivamente como eu havia imaginado.
— Estou, quer dizer, estava. Ontem eu estava furioso, hoje estou bem menos. É difícil me concentrar em qualquer outra coisa quando a única coisa que eu quero é arrancar esse seu vestido e me enterrar fundo em você. — Ele segura minha cintura e me puxa de encontro ao seu corpo forte.
Joseph...Aqui não. Alguém pode nos ver.
— E daí? Vamos contar para eles amanhã mesmo. — Ele diz enterrando a cabeça em meu pescoço e depositando vários beijos carinhosos.
— Mas não quero que eles descubram dessa forma, vendo nós dois assim. — Não consigo conter um suspiro devido suas caricias. Ele já me conhece tão bem, sabe me desarmar por completo.
— Preciso de você agora, Demetria. — Ele sussurra para mim e então ataca minha boca.
Joseph, não...Alguém vai...Nos ver. — Tento dizer entre as tentativas dele de retomar o beijo.
— Então venha comigo. — Ele segura minha mão e me puxa.
— Para onde você está me levando?
— Para o celeiro, você vai receber sua punição por ontem à noite.
Chegamos ao celeiro vermelho e branco, Joseph acende a luz e deixa a porta aberta. Ele me pega e me empurra contra a parede, espremendo meu corpo com o seu.
— Você está tão sexy nessas botas. — Ele puxa uma perna e coloca em volta da sua cintura. Sua ereção pressiona contra o meio das minhas pernas.
Ele levanta me vestido e acaricia minha coxa. Com uma mão fica segurando minha perna enquanto que com a outra segura firmemente meu pescoço e me beija ferozmente.
Ele se aperta mais contra mim e eu gemo, levo minhas mãos até se cabelo e me perco na macies de seus cachos escuros.
— Eu te amo. — Ele sussurra e começa a beijar e morder meu pescoço. Gemo mais alto e o aperto forte.
Suas mãos vão para a alça do meu vestido e ele as abaixa. Puxa o tecido amarelo para baixo, até minha barriga, expondo meu sutiã de renda branca.
Ele fecha uma mão em meu seio e o aperta.
Joseph. — Gemo seu nome. Preciso do seu toque.
— Você é tão linda, eu te amo tanto, Demetria.
— Também te amo, Joseph. Muito.
Sua boca volta a atacar a minha, sua língua brincando e provocando a minha. Sua mão acariciando e apertando meu seio por cima do tecido fino, fazendo meu mamilo ficar duro e pronto para sentir sua língua provoca-lo.
Beijamos-nos desesperadamente, precisando cada vez mais um do outro. Eu o amo tanto, como pode, não é? É muito engraçado as brincadeiras que o universo prepara para gente. De todos os homens do Texas, do mundo até, quem diria que eu me apaixonaria justo por Joseph? Ele que sempre me tratou como uma irmãzinha, ele que é tão errado para mim, mas ao mesmo tempo tão certo.
Joseph esfrega sua ereção enorme em mim e eu gemo em sua boca enquanto sua língua não me dá trégua e seus lábios massageiam os meus.
“Isso é perfeito.”

— Mas que porra é essa? Solte-a agora seu filho da puta. — Um grito feroz e que ecoa no silêncio da noite nos assusta. Sinto meu coração disparar e dessa vez não tem nada a ver com Joseph e suas caricias.

QUEM SERÁ ???
AGORA O NEGÓCIO VAI FICAR FEIO... PREVEJO SANGUEEE. 

8 comentários:

  1. Eita ferrou kkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Ian? OMG posta logo mais dessa fic que ja to morrendo

    ResponderExcluir
  3. Pode ser o Ian... Ou o Pai de demi u.u
    Omg

    ResponderExcluir
  4. AI MEU DEUS,POSTA MAIS PLEASE ESTOU FICANDO LOUCA

    ResponderExcluir
  5. Ai meu Deus,como você parou na melhor parte??...eu acho que é o Ian...
    Posta logooooooooooooooooooooooooo pleaseeeeeeeeeeee

    ResponderExcluir
  6. Mds, eu nao sei se rio ou se choro
    Geeeente, eu to quase achando que é Ian
    Poooosta looooogo

    ResponderExcluir
  7. Porra, não fala que é o Ian ou o pai da Demi, pelo amor de Deus! porque se for.. ai caraio, vai ter sangue. posta mais

    ResponderExcluir
  8. Meu deusss, é joe que vai parar no hospital??? E é ian que vai bater nele??? Posta mais pleaseee

    ResponderExcluir