domingo, 16 de fevereiro de 2014

CAPÍTULO 44 E 45 MARATONA

CAPÍTULO 44
Joseph entrou na cozinha enquanto ela envolvia a mesa com o lençol, uma pilha de inscrições na mão. Demi achou que era um progresso ele querer trabalhar perto deles em vez de se trancar no escritório.
— O que está fazendo?
— Mantendo Cody distraído enquanto preparo o jantar.
Uma gama de emoções passou pelo rosto de Joseph tão rapidamente que ela não conseguiu identificá-las.
— Kevin e eu costumávamos brincar numa tenda sob a mesa da sala de jantar. Tinha esquecido.
O coração dela se apertou.
— Ele era muito mais velho do que você.
— Sete anos. Era meu herói. — Puxou uma cadeira e se sentou, os olhos em Cody e a expressão vazia. — Procurou por mim quando saiu do sistema. Tinha 18 anos e queria cuidar de mim. Hank o mandou embora. Implorei a Hank que me deixasse ir com Kevin, mas Hank disse que Kevin estava morto para mim, como o restante de nossa família. E então ele morreu.
Lágrimas queimaram os olhos de Demi.
— Ah, Joseph. Isto foi cruel. Lamento tanto.
— Hank era assim. “Esqueça o passado, acabou”, dizia. “Viva o presente e planeje o futuro.”
— Mas, se suas lembranças são boas, por que não quer mantê-las?
— Porque não é possível mudar o passado. Podemos apenas moldar o futuro. Lembrar é perda de tempo.
— Seu passado o moldou. Cada experiência que teve, boa ou ruim, fez de você o que é hoje. Negar ou esquecer estas experiências apenas o faz esquecer as lições que cada uma delas lhe ensinou. Pelo que vejo, seus primeiros oito anos de vida foram maravilhosos.
Ele suspirou.
— Foram.
Demi queria tanto ir até ele, abraçá-lo e confortá-lo. Mas não podia. Assim, apenas colocou uma das mãos no ombro dele e apertou.
— Sei que perder sua mãe, seu pai e seu irmão o magoaram, mas eles continuam a viver, Joseph. Em você. E, um dia, Graham vai querer saber como seus avós foram fantásticos. Vai querer ouvir histórias sobre você e Kevin. Não lhe negue isto.
O rosto dele se fechou.
Demi já o tinha pressionado demais. Por isso, calou-se e lhe permitiu processar o que haviam conversado enquanto preparava o jantar. Então um som estranho chegou pelo monitor. Parecia que Graham estava sufocando. Demi largou tudo, apagou as bocas do fogão e correu escada acima. O rosto de Graham estava contor­cido, o pequeno corpo, tomado por espasmos. Uma convulsão. Demi virou-o de lado e verificou se podia respirar bem.
— O que há de errado? — Joseph estava em pé atrás dela.
— Está tendo uma convulsão. Chame os paramédicos e abra o portão da frente.
Quando ele não se moveu, ela o encarou. Joseph estava congelado, o rosto cinzento de medo.

— Chame-os agora, Joseph. Precisamos de ajuda!

CAPÍTULO 45
Joseph andava pelo espaço pequeno ao lado da cama no setor de emergência. Tinha sido inútil, maldição, quando Graham mais precisara dele. Se não fosse pela forma calma com que Demi lidara com a crise... Inter­rompeu o pensamento. Queria Demi agora aqui, para lhe prometer que o bebê pálido naquela cama ficaria bem, mas havia lugar apenas para ele na ambulância que levara Graham.
Olhou para Graham, sedado e com uma porção de aparelhos ligados ao corpinho. Como diria a Ash que permitira que seu filho adoecesse? A cortina se abriu, e um médico entrou.
— Graham tem um histórico de convulsões, sr. Jonas?
— Não sei.
— Alguma alergia?
Demi lhe fizera a mesma pergunta semanas antes, e Joseph tinha ficado irritado. Agora estava em pânico. Devia saber aquelas coisas.
— Não sei.
— Você é o pai dele, certo?
— Sim. Sim, sou o pai dele. — E, com a admissão pela primeira vez, veio o enorme peso da responsabilidade.
Demi estava certa. Graham era seu filho.
— Sou o pai dele, mas Graham não vive comigo, e sim com a mãe, em Atlanta. Ela está fora do país e não é possível falar com ela. Nunca mencionou nenhum problema de saúde. Mas não tenho alergia a nada, e ela também não.
— Bom saber.
— Quando ele vai acordar?
— Logo. Precisamos sedá-lo para fazer os exames. A boa notícia é que vieram todos negativos.
— Isto quer dizer que vai parar de me tratar como se eu o tivesse machucado?
— Desculpe, mas vemos muitos casos de abuso e te­mos que ter certeza. Assim, separamos pai e filho até sabermos. Não é nada pessoal.
Parecia malditamente pessoal para ele.
— O que causou a convulsão?
— Acreditamos que foi uma febre muito alta e repen­tina. Você ou sua... a mãe dele tem um histórico de convulsão causada por febre?
— Não sei. — Estava começando a odiar aquelas duas palavras.
— Alguém em sua casa adoeceu recentemente?
— Não... sim, minha assistente. Ela teve uma febre alta ontem.
— Então talvez seu filho tenha sido contaminado pelo mesmo vírus.
— A convulsão pode acontecer de novo?
— Provavelmente, mas se for causada pela febre, de­saparecerá em poucos anos. Gostaríamos que ele passasse a noite aqui, apenas por precaução.
Joseph olhou para Graham, tão frágil e desamparado na cama grande. Uma sensação avassaladora o tomou. O garoto invadira suas defesas, permitira-se gostar dele, sabendo que, se... quando Ash voltasse para casa, levaria Graham para Atlanta. Para sua própria seguran­ça, pensou Joseph, precisava restaurar a distância entre ele e o garoto. Mas não aquela noite.
— Não quero deixá-lo sozinho.
— É compreensível, sr. Jonas. Se sair agora e nos der alguns minutos, terminaremos aqui e o levaremos para um quarto antes de ele acordar. — O médico segurou a cortina, uma ordem silenciosa para ele sair.
Joseph relutou.
— Senhor, tomaremos conta dele, prometo.
Afastar-se daquela cama, de seu filho, foi a coisa mais difícil que Joseph já fizera. Deixar Graham, Demi e Cody saírem de sua vida para sempre seria ainda pior. Mas podia fazer aquilo, já sobrevivera a dores maiores.

Acho que estou começando a ter pena do Joe.

17 comentários:

  1. Capitulo emocionante . Fiquei com dó do Joe.. Posta assim que der. <3

    ResponderExcluir
  2. Ai senti as dores do Joe ;( posta logo, ta maravilhoso

    ResponderExcluir
  3. Eu acho que vc poderia posta mais um!
    So mais umzinho *-*
    Pls ^^
    Pooota :3

    ResponderExcluir
  4. Tadinho do Graham!! Posta mais!!! Por favor!

    ResponderExcluir
  5. Tadinho do Joe, ele não é um cara mal, é só ferido. Beijos, posta quando der, ou o mais breve possível ahuahsua amo sua fic

    ResponderExcluir
  6. E eu a simpatizar-me com ele. Joe admitiu, mas continua arranjando uma saída. Que dó! Quero mais

    ResponderExcluir
  7. Ainn tadinho do Graham e do Joe tbm cala ele ficou preocupada e nao queria sair de perto'd ela cala awnn q li ndo
    Ameei
    Posta Logo
    Xoxo

    ResponderExcluir
  8. Cara tadinho do Joe, fique com pena agr ele vai se apegar mais ao menino. Assim espero :))
    Poosta

    ResponderExcluir
  9. Joe fofo né gente? Quero mais :)

    ResponderExcluir
  10. aaaaaaaaaaaah cadê vc? too ansiosa pra saber o que vai acontecer, posta assim que puder *-***

    ResponderExcluir